IP linha do norte Infra-estrutura ferroviária

ADFERSIT: PNI 2030 deverá contemplar linha nova em bitola europeia para o Eixo Norte/Sul

TerrestreComentários fechados em ADFERSIT: PNI 2030 deverá contemplar linha nova em bitola europeia para o Eixo Norte/Sul1151
Tempo de Leitura: 4 minutos

Na sequência da Sessão Técnica realizada no passado dia 6 sobre a “Ferrovia no Pós 2020” – cuja apresentação de Carlos Fernandes (vice-presidente da IP) foi aqui resumida pela Revista Cargo -, a ADFERSIT apresentou agora as conclusões dos trabalhos, deixando clara a urgência de trabalhar uma solução para «o Eixo Norte-Sul», ou Linha do Norte.



Em comunicado, a ADFERSI fez também o seu resumo dos trabalhos e do que foi apresentado à audiência pelo responsável da Infraestruturas de Portugal (IP), nomeadamente relativamente aos projectos em andamento no Ferrovia 2020 mas também no que diz respeito aos desafios para lá de 2020.

Nessas conclusões, a ADFERSIT admite que «ficou clara a inadiável necessidade de se projectar uma linha nova em bitola UIC que sirva o Eixo Norte/Sul, uma vez que a Linha do Norte tem já esgotada a sua capacidade, em particular nos troços ferroviários que servem os serviços suburbanos de Lisboa e Porto, tornando impossível implementar qualquer plano de migração de bitola». Recorde-se a este propósito que Carlos Vasconcelos, Administrador da Medway, admitiu na sessão que os constrangimentos da Linha do Norte já hoje limitam os planos de expansão da Medway.

Ora, nesse âmbito, a ADFERSIT defende ser «imperativo que se inicie de imediato de forma célere e objectiva a discussão quanto ao Traçado do Eixo Norte/ Sul, pois no próximo Plano de Investimentos a candidatar (PNI 2030) deverá estar contemplado a construção de uma linha nova para o Eixo Norte/Sul e para o Poceirão-Évora em bitola UIC». E acrescenta que esta temática será central nas actividades da Associação durante 2018.

Leia as conclusões da ADFERSIT:



«Após analisada e discutida internamente a referida exposição da Infraestruturas de Portugal a ADFERSIT entende que:

– O Plano Ferrovia 2020 trata da reabilitação e requalificação da Rede Ferroviária Nacional – bem como da electrificação de alguns troços ferroviários num inegável esforço de modernização da RFN – procurando aumentar a sua competitividade modal e garantindo a interoperabilidade com Espanha, não sendo por isso, no âmbito deste quadro comunitário de apoio, tratadas as questões da migração de bitola;

– No que diz respeito ao chamado Corredor Atlântico (norte) há uma clara estratégia de manter a bitola Ibérica. Serão efectuados investimentos para melhorar a competitividade da linha e assegurar uma futura interoperabilidade e migração – nomeadamente através da utilização da travessa bibitola e da compatibilização do Sistema de Sinalização ERTMS – caso necessário, opção compreensível resultante da constatação do lado Espanhol se tornar evidente que o transporte de mercadorias será efectuado com recurso à rede convencional actual.

Desta forma as intervenções sobre a linha e o plano de migração apresentados parecem-nos ajustados às necessidades da Economia Portuguesa no contexto ibérico e europeu;

– Já no Corredor Sul toda a estratégia apresentada, ao assentar no PETI, parte de 2 pressupostos que, no entendimento da ADFERSIT, se encontram indevidamente considerados:

Este Corredor, sendo predominantemente de vocação para o tráfego de mercadorias não justificará a construção de uma linha nova com perfil de Alta Velocidade (AV);

Relativamente ao tráfego de passageiros neste Corredor, o problema da interoperabilidade nunca se irá colocar, visto existirem soluções técnicas ao nível do material circulante que permitirão assegurar a futura conexão.

Ora o corredor Lisboa-Madrid nunca deverá ser projectado a partir da premissa de que a sua vocação é predominantemente para mercadorias, atendendo a ser ambição e objectivo europeu a COESÃO TERRITORIAL, em particular a ligação de todas as capitais com um mesmo sistema ferroviário de Alta Velocidade.

O actual Plano apresenta o corredor Sines-Madrid, em bitola Ibérica com troços de via única, quando deveria apresentar Lisboa-Madrid, em via dupla, preparado para a AV, já que Espanha fará chegar uma linha nova de AV, em via dupla, à fronteira;

– Ficou clara a inadiável necessidade de se projectar uma linha nova em bitola UIC que sirva o Eixo Norte/ Sul, uma vez que a Linha do Norte tem já esgotada a sua capacidade, em particular nos troços ferroviários que servem os serviços suburbanos de Lisboa e Porto, tornando impossível implementar qualquer plano de migração de bitola.

Por isso, é imperativo que se inicie de imediato de forma célere e objectiva a discussão quanto ao Traçado do Eixo Norte/ Sul, pois no próximo Plano de Investimentos a candidatar (PNI 2030) deverá estar contemplado a construção de uma linha nova para o Eixo Norte/Sul e para o Poceirão-Évora em bitola UIC.

Assim, consideramos principal preocupação o aprofundamento de todas as questões relativas a esta temática, pelo que a ADFERSIT na preparação do Plano de Actividades para 2018, irá prioritariamente contemplar um conjunto de Acções que promovam o debate técnico objectivo, com vista à obtenção de soluções que assegurem a sustentabilidade e competitividade da Rede Ferroviária Nacional.»



Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
ptPortuguês
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com