«Bazuca europeia» pode ser «grande oportunidade» para a indústria ferroviária nacional

Terrestre Comentários fechados em «Bazuca europeia» pode ser «grande oportunidade» para a indústria ferroviária nacional 471
Tempo de Leitura: 3 minutos

Durante a realização da conferência onlinePortugal Railway Summit 2021‘, Nuno Freitas, presidente da CP, afirmou que a vindoura «bazuca europeia», será uma «grande oportunidade» para Portugal dar um importante salto no que concerne à sua indústria ferroviária. Os fundos comunitários, explicou, poderão ajudar à construção de as «mais de mil carruagens» de que necessitará para renovar a actual frota da empresa.

IP linha do norte Infra-estrutura ferroviária«Dentro de 20 anos, toda a frota da CP tem mais de 40 anos e a grande maioria mais de 50 anos. Isto significa que a CP vai precisar, só para manter a oferta actual, de mais de mil carruagens», declarou Nuno Freitas, lembrando que a tal «bazuca europeia» – pacote global de auxílio financeiro de 1,8 mil milhões de euros proveniente da União Europeia para fazer face à debacle da pandemia – é «fortemente orientada para o transporte ferroviário».

Assim, Portugal estará, defendeu, perante um contexto de «grande oportunidade», com caminho aberto «para voltar a ter indústria ferroviária em Portugal». O apoio financeiro comunitário «não é só para Portugal, é para Portugal e para toda a Europa. Isto significa que, muito provavelmente, os fabricantes vão ter falta de capacidade, vão ter de investir em fábricas novas e esta é, realmente, uma grande oportunidade para voltarmos a ter indústria ferroviária em Portugal», argumentou Nuno Freitas, lembrando que o esforço imposto pela aquisição de comboios é elevado.

«Um comboio é caro. Um comboio urbano de 100 metros custa 10 milhões de euros, um comboio de alta velocidade pode custar 25, 30 ou 35 milhões de euros. É muito caro comprar comboios. Portanto, a única forma que temos de poder fazer esta renovação de frota e de apostar na ferrovia que temos em Portugal é, efectivamente, fazermos alguma coisa dentro do país com integração da nossa economia», declarou. Neste domínio, Portugal tem a vantagem de possuir «mão-de-obra qualificada» e acessível e um cluster industrial e ferroviário que poderá ser crucial para este desígnio.

«Em Portugal há negócio, temos mão-de-obra qualificada mais barata do que na Europa Central, estamos a construir um pólo industrial muito interessante, junto de clientes, junto de um centro tecnológico com escola de formação [em Guifões, Matosinhos], numa área forte de forte implementação de indústria e a dois quilómetros de um porto de mar e de um aeroporto internacional», frisou. A CP, garantiu, «vai fazer tudo o que estiver ao seu alcance para trazer uma infra-estrutura industrial ferroviária para Portugal». No entanto, não poderá actuar sozinha.

A empresa, adiantou, encontra-se actualmente «a trabalhar com o Governo» na renovação da sua actual frota, designadamente com vista à aquisição de 117 comboios urbanos e regionais (com 36 de opção), 62 urbanos (com opção para mais 36) e 55 comboios regionais «para substituir comboios antigos». «Estamos a trabalhar nesta aquisição para termos comboios todos da mesma plataforma ou, pelo menos, muito semelhantes, para diminuir os custos de operação, de manutenção e de formação de pessoal», acrescentou ainda o presidente da CP.

Foto: CP

Author

Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com