adfersit

Câmara da Moita dá parecer negativo ao Estudo de Impacte Ambiental do aeroporto do Montijo

Aéreo Comentários fechados em Câmara da Moita dá parecer negativo ao Estudo de Impacte Ambiental do aeroporto do Montijo 274
Tempo de Leitura: 2 minutos

A Câmara da Moita, no distrito de Setúbal, deu luz verde a uma posição em que dá parecer negativo ao Estudo de Impacte Ambiental (EIA) do novo aeroporto do Montijo, devido ao «conjunto de impactes negativos», adiantou ontem a autarquia através de um comunicado, citado pela Lusa.

Moita: «Conjunto de impactes negativos» fundamenta «oposição ao projecto»

«O município da Moita fundamenta a sua oposição ao projecto num conjunto de impactes negativos no território, no ambiente, na saúde, na segurança pública e nos valores culturais e patrimoniais existentes», pode ler-se na missiva. A decisão foi aprovada no dia 16, em reunião do executivo, à luz da existência de «alternativas de localização mais favoráveis», como é o caso do Campo de Tiro de Alcochete, no distrito de Setúbal.

Para o município, a local escolhido, na Base Aérea n.º 6, localizada entre o Montijo e Alcochete, acarreta «riscos reais para a saúde pública causados pela elevada exposição da população ao ruído e às concentrações de poluentes no ar, contrariando todas as directivas da Organização Mundial de Saúde». Mais: o projecto acarreta, na visão do município, um perigoso risco de colisão com aves, além de degradar a navegabilidade do Canal do Montijo e contribuir «para a perda dos principais activos estratégicos do concelho», que inclui a avifauna ribeirinha, os fundos navegáveis do Estaleiro da Moita e o prejuízo das embarcações tradicionais do Tejo que estão a candidatar-se a património imaterial da humanidade.

«Sobre o argumento de urgência, da perda de receitas e do desígnio estratégico do projecto para o sector do turismo, não é aceitável que, numa região integrada na União Europeia, para benefício do crescimento desse sector em exclusivo na cidade de Lisboa sejam outros territórios, mais periféricos e desfavorecidos, a sofrerem os impactes negativos inerentes à exploração da infra-estrutura, sem dela retirarem qualquer proveito», vincou o presidente do município, Rui Garcia (CDU), citado pela missiva. Recorde-se que esta decisão é contrária aos pareceres positivos dados, durante este mês de Setembro, pelas Câmaras do Barreiro e do Montijo.

Com Lusa

Author

Back to Top

© 2019 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com