lisboa porta contentores alcantara

Câmara Municipal de Lisboa não quer tirar contentores de Alcântara

Marítimo Comentários fechados em Câmara Municipal de Lisboa não quer tirar contentores de Alcântara 1130
Tempo de Leitura: 3 minutos

Avança a Lusa que a Câmara Municipal de Lisboa rejeitou, esta quinta-feira, uma moção do PSD para que o «movimento de contentores» saia de Alcântara, transferindo-se a actividade logística do terminal Yilport Liscont. A oposição vincava a importância daquela infraestrutura para a região.



De acordo com o documento, ao qual a agência Lusa teve acesso, os vereadores João Pedro Costa e Teresa Leal Coelho pediram ao restante executivo (de maioria socialista) que manifestasse «junto do Governo a vontade do município em ser parte activa na definição das orientações do desenvolvimento integrado dos Portos de Lisboa e Setúbal».

Este ponto foi aprovado por unanimidade em reunião privada do executivo, ao contrário do outro também incluído no documento e que ia mais longe. Isto porque a moção previa também que a Câmara Municipal de Lisboa deliberasse «estabelecer que, num prazo razoável, mas não muito longo, o movimento de contentores na Área Metropolitana de Lisboa saia de Alcântara, hoje uma zona fechada à cidade, transferindo-se a sua atividade logística para alternativas no Barreiro, em Setúbal, ou outras que se venham a julgar por adequadas».

Restantes partidos contra a deslocalização

Avança ainda a Lusa que o ponto acima referido foi rejeitado por PS, CDS-PP, BE e PCP, contando apenas com o voto favorável do PSD, o proponente.

Também em declarações à Lusa, a vereadora do CDS-PP Assunção Cristas apontou ser a favor que a Câmara de Lisboa «tenha uma voz activa nas questões estratégicas relacionadas com os portos». Mas, sobre o terminal de Alcântara, defendeu que «pode ser optimizado de modo a que não haja sobrecarga do trânsito». «Não somos favoráveis à deslocalização do terminal», concluiu.

Já o vereador Ricardo Robles, do BE, vincou que «têm de haver factores produtivos» na cidade de Lisboa e acrescentou que «a existência de um porto é muito importante para Lisboa». «Deixar de o ter era grande perda», concluiu, salientando ainda que «tem de haver uma reformulação do porto, mas já está em curso».

Quanto a vereador comunista Carlos Moura, admitiu que «não vem mal ao mundo que a Câmara Municipal de Lisboa se venha a pronunciar sobre essa situação» mas defendeu que «o terminal de Alcântara tem e deve continuar a ter um papel importante», até porque é um «factor de empregabilidade na cidade». «Não nos parece que a cidade possa viver sem o porto», concluiu.

Melhoria operacional do terminal de Alcântara já está em curso

Recorde-se que na resolução aprovada em Conselho de Ministros, e publicada em Diário da República a 24 de Novembro, a Estratégia para o Aumento da Competitividade da rede de Portos Comerciais do Continente – Horizonte 2026 inclui um projecto que «visa aumentar a capacidade do terminal de Alcântara, aumentando a sua eficiência através da instalação de equipamentos modernos e do aumento de fundos para a escala de navios de maior dimensão».

«A primeira fase do projecto compreende um aproveitamento da frente de acostagem de 630 metros para 1.070 metros, numa área de 21 hectares, com capacidade até 640 mil TEU», pode ler-se no documento.

O Ministério do Mar admite que «não se prevê o aumento significativo do número de contentores em parque, mas antes o aumento na sua movimentação», ao mesmo tempo que prevê a «redução do tráfego rodoviário gerado pela movimentação no Terminal de Contentores de Alcântara, passando parte da carga contentorizada a circular por ferrovia e por via fluvial até à plataforma logística de Castanheira do Ribatejo».


Back to Top

© 2019 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com