Circle: «No sector logístico existem biliões de dados que podem ser transformados em conhecimento»

Entrevistas, Logística, Marítimo, Terrestre Comentários fechados em Circle: «No sector logístico existem biliões de dados que podem ser transformados em conhecimento» 654
Tempo de Leitura: 3 minutos

A Circle, tecnológica italiana especializada nas áreas dos transportes e logística, completou em 2017 os seus primeiros cinco anos de actividade e já tem muito para contar. Em entrevista à Revista Cargo, o seu Director, Alexio Picco, fez um balanço desta primeira meia década de trabalho, falou do “Porto do Futuro” e admitiu que Portugal é um mercado apetecível nesta área.



Mais de meia década de actividade no sector

Na entrevista em exclusivo à Revista Cargo (que pode ser lida na íntegra no próximo número da nossa edição em papel), Alexio Picco recorda as origens da Circle, criada em 2012 e, desde logo, «com foco nas áreas de transporte e logística». Daí para cá são vários os projectos em que a Circle tem estado envolvida, colaborando «com actores chave da cadeia logística, tanto do lado da administração pública italiana (Alfândega) como do lado privado, dos portos e terminais no inland».

Um dos casos de sucesso nestes anos de actividade «diz respeito à cooperação com a Alfândega Italiana no desenho e colocação em prática dos chamados “fast customs corridors“», admite o responsável da Circle sobre uma iniciativa inovadora em Itália na qual a Circle «interligou os sistemas de TI dos actores logísticos – desde portos, terminais, operadores rodoviários e ferroviários – e a National Single Window italiana». Um caso de sucesso que atraiu, desde logo, o interesse da IKEA, o primeiro grande nome a juntar-se ao projecto que ganhou entretanto força em Itália – e que a Circle quer fazer chegar a mais países europeus.

Objectivo de reforçar presença em Portugal

Entre os vários projectos em que a Circle esteve envolvida nestes cinco anos de actividade estão alguns em que foi parceira de entidades portuguesas – casos da Administração do Porto de Lisboa ou da Administração do Porto de Leixões. Alexio Picco deu o exemplo de «vários projectos europeus de Autoestradas do Mar (MIELE, WIDERMOS ou ANNA)». A isto juntou-se, a partir de 2015, o apoio da Circle para «o desenvolvimento da Via Navegável do Douro, com a APDL, com foco particular na implementação de novíssimos “River Information Services”», acrescenta o responsável da Circle.

O reforço da presença em Portugal é um dos objectivos da Circle para um futuro próximo e a empresa prepara mesmo um workshop no nosso país, «no qual os participantes serão profissionais vindos dos portos e empresas logísticas, desafiados a apresentar as suas ideias e requisitos para criar o Porto do Futuro, com foco específico na digitalização – um campo em que Portugal está bastante avançado», refere Alexio Picco.

Como será o Porto do Futuro e que tecnologias transformarão o sector?

porto hamburgo ONBOARDNa entrevista em exclusivo à Revista Cargo, o responsável da Circle foi ainda desafiado a dar o seu ponto de vista daquilo que será o Porto do Futuro. «Vejo um porto com zero-emissões, totalmente responsável e sustentável, perfeitamente conectado com as áreas urbanas nas suas redondezas e, obviamente, totalmente digitalizado», admite Alexio Picco, falando de uma série de tecnologias com potencial disruptor para o mercado, casos do Blockchain, Automação ou Big Data. E sobre este último, foi claro: «O potencial da análise Big Data ainda está amplamente subestimado. No sector logístico existem biliões de dados que podem ser transformados em conhecimento e valor».

LEIA A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA NO PRÓXIMO NÚMERO DA REVISTA CARGO!



Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com