Conselho de Energia UE-EUA: aicep promove valia geoestratégica de Sines no ‘transhipment’ de GNL

Marítimo Comentários fechados em Conselho de Energia UE-EUA: aicep promove valia geoestratégica de Sines no ‘transhipment’ de GNL 338
Tempo de Leitura: 2 minutos

Entre os dias 2 e 3 de Maio realiza-se, em Bruxelas, o ‘Conselho de Energia UE-EUA, fórum de negócios de Gás Natural Liquefeito’, que leva à capital belga Filipe Costa, CEO da aicep Global Parques, e Ana Paula Vitorino, Ministra do Mar. O fórum é uma oportunidade para «a promoção do cluster portuário, logístico e energético de Sines como ponto de entrada do Gás Natural Liquefeito (GNL) dos EUA na União Europeia», adiantou a aicep Global Parques através de uma nota sobre o evento, à qual a Revista Cargo acedeu.

De extremo interesse estratégico para a aicep Global Parques (uma vez que se trata da entidade que gere a Zona Industrial e Logística de Sines, onde se integra parte do cluster Oil & Gas e energético nacional, no qual se destaca o Terminal de GNL no Porto de Sines), o encontro é também vital para as aspirações portuguesas na corrida à conquista de um papel de hub energético de transhipment no contexto da exportação de GNL proveniente dos EUA – um papel ao qual se candidatam o Porto de Sines e respectiva área logística.

EUA-UE: Presença lusa promoveu potencial de Sines no transhipment de GNL

A Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, representou Portugal neste Conselho de Energia UE-EUA, que foi co-presidido pelo Comissário Europeu da Ação Climática e Energia, Miguel Arias Cañete, e o Ministro da Energia dos EUA, Rick Perry. «Pugnando pela interligação da infra-estrutura de transporte de GNL de Portugal & Espanha a França e daí ao centro da Europa, a representação portuguesa promoveu a localização estratégica de Sines, as suas infra-estruturas e a capacidade instalada já existentes para posicionar Portugal como receptor, reexportador e primeiro beneficiário em abundância e preço desta energia fóssil mais limpa», informou a aicep na missiva comunicacional.

O Ministro de Energia dos EUA vincou o apoio dos EUA a esta interligação, como uma das formas de diversificar o abastecimento da UE, face ao que considerou a sua excessiva dependência do fornecedor Rússia – uma opinião que também reina no próprio seio da comunidade.

Author

Back to Top

© 2019 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com