Porto de Leixões Yilport Leixões

Contentores descem -2,6% e fixam-se nos 1,8 milhões de TEU entre Janeiro e Agosto

Marítimo Comentários fechados em Contentores descem -2,6% e fixam-se nos 1,8 milhões de TEU entre Janeiro e Agosto 304
Tempo de Leitura: 3 minutos

Os dados referentes à movimentação de cargas nos Portos do Continente entre Janeiro e Agosto foram esta Segunda-feira revelada pela Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT): especificamente no que toca ao segmento dos Contentores, registou-se um volume total de 1,8 milhões de TEU, uma redução de -2,6%, correspondente a -47,6 mil TEU, e reflectindo uma recuperação de 3,9 pontos percentuais face ao mês anterior.

Porto de Sines disparou e deu contributo decisivo para recuperação

Segundo explicou a AMT no seu relatório – ao qual a Revista Cargo teve acesso – esta recuperação surge na sequência de um acréscimo global de +28,4% ocorrido no mês de Agosto, com o contributo decisivo do Porto de Sines, que regista uma variação de +69,3%, tendo sido acompanhado pelas variações de +29% no Porto de Setúbal e de +8,6% no Porto de Leixões. De acordo com a análise da entidade, as performances de Sines, Setúbal e Leixões foram vitais para anular a os decréscimos registados nos portos de Lisboa e da Figueira da Foz.

Contentores: Setúbal e Leixões fixam recordes no período homólogo

Porto de Setúbal navio contentores«O comportamento da Carga Contentorizada resulta maioritariamente do desempenho dos portos de Sines, Setúbal e Leixões que, ao registarem, respectivamente, +1,24 milhões de toneladas, +154,4 mt e +128,6 mt, anulam os decréscimos de Lisboa e Figueira da Foz. Com excepção de Lisboa, mas cujas causas não são alheias ao clima de instabilidade laboral que continua a viver- se, aparentemente o mercado de Carga Contentorizada já se encontra numa fase de recuperação do abrandamento induzido pela pandemia de Covid-19», detalhou a AMT.

Líder fechou Janeiro-Agosto com variação de -6,7%

Destaque para o desempenho dos portos de Setúbal e Leixões que registaram «o volume mais elevado de sempre nos períodos homólogos, com acréscimos de +0,8% e de +14,4%, respectivamente», realça a AMT. De referir ainda que o porto sadino regista variações mensais positivas pelo sexto mês consecutivo, oscilando entre +11,1% em junho e +44,9% em Abril. No que toca ao líder do segmento, Sines, fechou o período Janeiro-Agosto com uma variação total de +6,7%, correspondente a +65,1 mil TEU. Os acréscimos referidos, de Sines, Leixões e Setúbal, não foram suficientes para anular as variações negativas de Lisboa e da Figueira da Foz que ascendem, respectivamente, a -39,9% (-125,5 mil TEU) e a – 32,3% (-4,8 mil TEU).

«Tendo em conta o seu peso no mercado de contentores do porto de Sines, importa sublinhar que o tráfego de transhipment representou 67,9% do volume movimentado neste porto e registou uma variação de +5,3%, impulsionada pelo movimento realizado em Agosto, o mais elevado dos últimos 19 meses e que releva um acréscimo homólogo de +89,4%», detalhou a AMT. Acresce referir que o tráfego com o hinterland regista igualmente um acréscimo no período de Janeiro a Agosto, de +9,8%, atingindo o valor mais elevado de sempre, 332 005 TEU.

Author

Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com