klm

J. Martins Pereira Coutinho: “A primeira companhia de aviação do mundo”

Aéreo, Opinião Comentários fechados em J. Martins Pereira Coutinho: “A primeira companhia de aviação do mundo” 730
Tempo de Leitura: 8 minutos

Ao questionarmo-nos sobre o que iríamos escrever neste espaço, ocorreu-nos a ideia de divulgar, embora resumidamente, a história da KLM, a primeira companhia de aviação do mundo, a qual tivemos a honra e o privilégio de servir durante quase quatro décadas.

Entre outras lembranças, vieram-nos à memória gratas recordações de uma vida dedicada a uma profissão apaixonante e a uma companhia exemplar, na sua organização e ambiente de trabalho. Um exemplo na disciplina laboral, na exigência e na promoção do mérito profissional, que contribuíram para o seu crescimento e sucesso no mundo da aviação.

Em 12 de Setembro de 1919, a Rainha Guilhermina, da Holanda, concedeu excepcionalmente e como prémio de confiança, o título Koninklijke (Real) à Companhia de Aviação, ainda em embrião, a qual viria a denominar-se K.L.M. – Koninklijke luchtvaart Maatschappij N.V..

Albert Plesman, militar na “Netherlands Royal Flying Corps”, foi então convidado para formar a nova companhia, KLM – Royal Dutch Airlines ‘For Holland and Colonies’. Albert Plesman estava colocado numa base militar no Aeroporto de Schiphol. Mais tarde, seria o seu presidente.

Depois do fim da Primeira Grande Guerra Mundial, verificou-se um invulgar interesse pelo transporte aéreo e Albert Plesman organizou a primeira exposição de aviação, em Amesterdão, entre 1 de Agosto e 15 de Setembro de 1919. Albert Plesman trabalhava arduamente para atingir os seus objectivos. Era conhecido como um homem duro, da linha antes quebrar que torcer.



A KLM organizou-se, então, como empresa privada de responsabilidade limitada e começou a operar em Outubro de 1919. No primeiro voo, entre Amesterdão e Londres, transportou passageiros, carga e correio. Em 17 de Maio de 1920, foi inaugurada a primeira carreira aérea regular entre Londres e Amesterdão, a mais velha ligação aérea do mundo.

Na inauguração, foi utilizado o avião “De Haviland DH 16”, o qual tinha o “cockpit” descoberto e espaço apenas para o piloto Jerry Shaw e dois passageiros, a quem a KLM fornecia agasalhos e botijas de água quente. Além dos passageiros E. O’Brian e H. Rhodes, jornalistas, seguiram jornais da manhã e uma mensagem do Presidente da Câmara de Londres, para o Burgomestre de Amesterdão.

Em 8 de Junho de 1920, efectuou-se o primeiro transporte de animais, aos quais a KLM sempre se dedicou. Em 5 de Julho, realiza-se o primeiro transporte de correio aéreo, que pesava 14 libras. No fim desse ano, os 4 aviões da KLM tinham voado 82.000kms, transportando 345 passageiros, 22 toneladas de carga e 3 toneladas de correio.

Em 14 de Abril de 1921, Sua Alteza Real o Príncipe Hendrik, da Holanda, inaugura oficialmente o tráfego aéreo. Depois, a KLM passou a voar com o seu próprio avião e os seus pilotos, G. J. Geyesendorffer e R. Hostra. Em 7 de Junho de 1922, este avião transportou o primeiro carregamento de flores, de Amesterdão para Londres. Em 1924, a fábrica Fokker entregou o primeiro de uma série de aviões F.7, com capacidade para transportar 8 passageiros.

Estes foram os primeiros aviões a serem equipados com toilettes. E foi também o primeiro avião que a KLM equipou com rádio-telefonia. Mais tarde, em 1927, o Fokker F.8 já tinha capacidade para transportar 15 passageiros e 1.500kgs de carga, que era carregada através do nariz do avião.

Em 1927, a KLM fez o primeiro voo de fretamento intercontinental do mundo, de Amesterdão para Jakarta, na Indonésia. A viagem demorou 12 dias, com o tempo de voo de 86 horas e 27 minutos, para percorrer 9.120 milhas. No regresso, a viagem demorou 14 dias e 97 horas de voo!

Em 1928, num percurso de 14.000kms, a KLM transportou carga e passageiros de Amesterdão para Batavia, capital da Dutch East Indies. Durante anos, foi a rota mais longa do mundo. No início de vida da KLM, os seus aviões foram fabricados pela empresa holandesa Fokker. O Fokker F.3, curiosamente, foi um dos primeiros aviões da KLM.

Em 1929, a KLM inaugurou um serviço quinzenal entre Amesterdão e Jakarta, na Indonésia, com o avião trimotor Fokker F.7b. Nesse ano, também passou a voar para Nuremberga, Budapeste, Sofia e Istambul. Em 1930, juntouse Atenas e, em 1931, Hanôver, Lyons, Marselha, Roma e Belgrado. Em 1934, foi importado dos EUA o primeiro avião fabricado em metal, o Douglas DC-2. A KLM foi a primeira companhia europeia a encomendá-lo, tendo adquirido mais 18 até à Segunda Guerra Mundial. Este avião, além da carga, podia transportar até 14 passageiros. Depois, adquiriu o DC-3 e o Lockeed L14 Super Electra.

Em 1940, a KLM inaugurou os seus voos para Portugal, utilizando os aeródromos de Espinho e da Granja do Marquês, em Sintra. O primeiro voo realizou-se em 2 de Abril, entre Amesterdão e Espinho. A ligação aérea entre Portugal e Holanda, demorava então 8 horas!

Devido à conjuntura internacional da época, estes e outros voos na Europa foram suspensos. Lembramos que, em 10 de Maio de 1940, as tropas alemãs invadiram a Holanda. Destruíram cidades e vidas e paralisaram todas as actividades da KLM, em Amesterdão. No bombardeamento ao Aeroporto de Schiphol, foram destruídos 18 aviões da KLM e capturados mais 11.

Apesar dos perigos da Segunda Guerra Mundial, a KLM manteve-se ligada a Portugal, na chamada “Rota da Vida”, entre Bristol e Lisboa. Era a única ligação aérea entre o continente e a Grã-Bretanha. Outro dado histórico: o primeiro avião a aterrar no Aeroporto da Portela, era da KLM.

Este acontecimento mereceu dos jornais de 3 de Abril de 1940, a seguinte “manchete”: “A inauguração da carreira aérea Amesterdão – Porto – Lisboa – Amesterdão, pela KLM”. O Século referia-se à chegada do DC-2 ao aeródromo de Sintra, nestes termos: “A Esposa do Chefe do Estado recebeu ontem um ramo de flores colhidas horas antes num jardim da Holanda e trazidas para Portugal no avião da KLM, que inaugurou a linha Amesterdão – Lisboa.

O Jornal de Notícias, do Porto, tinha o seguinte título e chamada: “Asas de Fogo: de Amesterdão ao Porto em oito horas! Dois “azes” da aviação inauguraram ontem, brilhantemente, a carreira aérea entre Portugal e a Holanda, dois países de belas tradições marítimas, secularmente amigos”. Na época, a aviação merecia a atenção e o destaque noticioso de jornais e jornalistas.

Neste voo, a KLM transportou passageiros e malas de correio para Portugal e EUA, aproveitando a ligação aérea existente entre Lisboa e Nova Iorque. E a Philips recebeu uma remessa de aparelhos, inaugurando, assim, o serviço de carga aérea entre os dois países.

Na cerimónia de recepção, Johan Sillen, ministro da Holanda, anunciou que a Rainha Guilhermina agraciara Alfredo Sintra e Vasco de Orey com a Ordem de Orange-Nassau, em reconhecimento dos seus esforços para o estabelecimento da linha aérea e do seu contributo para estreitar as relações económicas, entre os dois países.

Na altura, a KLM já tinha projectos para alargar a cooperação entre a Holanda e Portugal, no sector do transporte aéreo. De facto, pretendia alargar a sua rede, fazendo de Lisboa a plataforma das suas novas rotas intercontinentais para o Brasil, Uruguai e Argentina e, também, para Angola e África do Sul.

A proposta apresentada às autoridades portuguesas, resultado do grupo de trabalho chefiado pelo comandante van Balkom, referia-se a um projecto para a exploração das linhas Lisboa-Niamey-Lobito-Cape Town; Lobito-Moçambique; Lisboa-Madeira-Guiné-Sal e Lisboa-Sal-Pernambuco-Rio de Janeiro-Montevideo- Buenos Aires.

Este projecto previa a aquisição de três aviões LockeedConstellation, com capacidade para 64 passageiros e 16 toneladas de carga. Porém, tudo isto não passou de um sonho dos pioneiros da KLM. No entanto, tradicionalmente, os holandeses sempre estiveram envolvidos com sucesso em transportes e comércio.

De qualquer modo, a KLM sempre foi reconhecida pela sua capacidade em desenvolver o transporte aéreo de mercadorias e passageiros. Em Portugal, foi pioneira em várias iniciativas promocionais, na criação de novas rotas e mercados, na oferta de cursos de formação aos agentes de turismo e agentes transitários, entre outras operações de marketing.

Como resultado de um trabalho iniciado em 1964, em 6 de Maio de 1971, a KLM, numa operação “Joint-Venture” com a TAP, inaugurou o primeiro voo cargueiro no percurso Lisboa/ Porto/Amesterdão/Lisboa, operado por um avião B727-QC com capacidade para 15 toneladas de carga. Uma operação que durou 10 anos e que contribuiu para a promoção da carga aérea, em Portugal.

Terminada esta operação, a KLM criou o transporte combinado camião – avião em Portugal, oferecendo, semanalmente, um novo serviço de camião – avião de Lisboa e Porto para o Aeroporto de Schiphol, onde oferecia ligações aéreas directas para várias cidades nos EUA e outros países.

Ontem como hoje, a KLM é reconhecida como pioneira da carga aérea e como uma das primeiras companhias de aviação a aperceber-se da sua importância no desenvolvimento do comércio internacional. Por isso e pelo prestígio granjeado no mercado internacional, a KLM continua a ser uma das companhias de aviação mais credíveis e utilizadas, a nível mundial.

J. Martins Pereira Coutinho

Entrou em Abril de 1958 na KLM Royal Dutch Airline, foi depois Director da KLM Cargo Portugal lugar que ocupou até à aposentação.

Este artigo é parte integrante da edição nº 270 da Revista Cargo, Novembro/Dezembro



Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com