contentores

Escassez global de contentores inflaciona custos e pressiona exportadoras portuguesas

Marítimo Comentários fechados em Escassez global de contentores inflaciona custos e pressiona exportadoras portuguesas 1614
Tempo de Leitura: 2 minutos

O problema foi avolumando-se no decorrer do conturbado ano de 2020 e continua, já em 2021, a persistir, provocando repercussões em cadeia em todo o fluxo logístico global: a escassez de contentores para o transporte de mercadorias vem provocando um aumento dos preços deste tipo de equipamento, prejudicando directamente as exportadoras portuguesas; os portos de Lisboa e Setúbal estão entre os mais prejudicados em Portugal.

Portos de Lisboa e Setúbal afectados pela escassez de contentores

A pandemia despoletou uma cronologia de eventos que terminou numa sistémica e globalizada escassez de contentores para o transporte de mercadorias – grande parte destes equipamentos encontra-se parada nos principais portos chineses ou a viajar vazios para vários destinos ocidentais. Em Portugal, os portos de Lisboa e Setúbal encontra-se os que mais constrangimentos têm enfrentado devido a esta situação deficitária.

De acordo com uma reportagem do ‘Correio da Manhã’, os constrangimentos afectam os contentores de menores dimensões; também a diminuição das operações no transporte aéreo (o segmento que, no contexto do transporte, foi mais afectado pela pandemia de COVID-19) tem também aumentado a pressão nestes envios por via marítima. A indústria metalúrgica e metalomecânica tem sido uma das afectadas.

Custo do contentor disparou, reporta a associação AIMMAP

Segundo a reportagem, o porta-voz da associação do sector (AIMMAP), Rafael Campos Pereira, exemplifica que, a partir do porto de Leixões, via Roterdão, «um contentor de 40 pés HC [um dos formatos mais utilizados] para a China custava, em Novembro de 2019, 1.550 dólares, e agora custa 4.375 dólares» – um aumento de custos que é completamente insuportável para grande parte das empresas.

Os dados mais recentes publicados pelo INE, referentes a Outubro de 2020, mostraram as importações a cair cinco vezes mais do que as exportações (11,8% e 2,2%, respectivamente) em termos homólogos. As vendas ao exterior foram principalmente arrastadas pelos fornecimentos industriais, enquanto os combustíveis e lubrificantes e o material de transporte foram as principais rubricas das compras a diminuir nesse período.

Fonte: Correio da Manhã e Jornal de Negócios

Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com