estudo electromobilidade

Estudo da EY e da Eurelectric conclui: electrificação das frotas acelerará a agenda da descarbonização

Terrestre, Veículos Comentários fechados em Estudo da EY e da Eurelectric conclui: electrificação das frotas acelerará a agenda da descarbonização 350
Tempo de Leitura: 6 minutos

Um novo estudo da EY e da Eurelectric, ‘Accelerating fleet electrification in Europe: When does reinventing the wheel make perfect sense?‘, conclui que a electrificação de frotas deve liderar e dar a maior e mais rápida contribuição para a descarbonização do transporte rodoviário.

Estudo da EY e Eurelectric: saiba todos os pormenores

O estudo inclui análises que resultam de discussões com líderes dos sectores automóvel, público, petróleo e gás, fabrico de baterias, gestão de frotas, leasing e negócios de infra-estrutura de carregamento. Reúne percepções e opiniões, identificando grupos de valores-chave e ações para acelerar e construir soluções de eMobility em escala. «Electrificar o transporte é fundamental para a Europa cumprir as suas rígidas metas de emissões e criar um futuro descarbonizado», começou por declarar Serge Colle, EY Global Power & Utilities Leader, ao divulgar publicamente o estudo.

«Começar pela transição da frota abrirá o caminho e gerará novas oportunidades comerciais, incluindo soluções de carregamento de veículos para a rede e veículos eléctricos, entre outros. Para conseguir isso, é necessária uma abordagem centrada na frota, tanto por parte dos governos, como da indústria, com o objectivo de remover obstáculos áreas como a criação de padrões comuns e os investimentos. Conquistar os corações e as mentes dos clientes através de uma variedade maior na escolha de veículos e uma experiência de carregamento perfeita também é essencial. No entanto, nenhum sector pode conduzir a transição sozinho -a colaboração entre todos os participantes do ecossistema eMobility é fundamental», acrescentou.

eMobility aproxima-sedo ponto de viragem

A pressão regulatória aumentou para os veículos rodoviários, com novos padrões de emissão de dióxido de carbono (CO2) para os fabricantes de automóveis e que entraram em vigor em toda a Europa. Ao mesmo tempo, verifica-se que os pacotes de recuperação económica em resposta à Covid-19 se concentram amplamente em soluções de energia renovável e neutras em carbono, que, no seu conjunto, favoreceram a mudança para o eMobility. De acordo com o estudo da EY e da Eurelectric,em 2020, até Novembro, um recorde de um milhão de veículos eléctricos vendidos foi alcançado -representando um em cada 10 carros de passageiros vendidos. Este é um ponto de viragem decisivo para atingir os volumes de vendas de 30% a 40% de veículos eléctricos até 2030, cumprindo as metas de redução de carbono na Europa.

«Estamos mesmo na dobra de uma curva exponencial. Nos próximos anos, experimentaremos uma turbo-evolução no sector dos transportes. Este estudo mostra que as frotas de veículos eléctricos podem trazer benefícios enormes tanto para os proprietários de frotas como para a sociedade em geral. Alinhar as ambições políticas e as oportunidades comerciais é, por isso, uma obrigação. As políticas direccionadas para impulsionar a procura adicional de veículos eléctricos, bem como uma estratégia inteligente para implementação de infraestruturas de carregamento serão essenciais para o sucesso», analisou Kristian Ruby, Secretário-Geral da Eurelectric.

Necessidade de velocidade

A rapidez com que os países se descarbonizarão determinará os resultados climáticos, de saúde e ambientais nas próximas décadas. De acordo com o estudo, as emissões dos transportes têm aumentado nos últimos três anos e uma diminuição de 65%, ou 10% de poupança anual, é necessária para atingir a meta de redução de 55% na Europa, em comparação com os níveis de 1990.

O estudo identifica que, para atingir este marco, é essencial acelerar a transição para a electrificação da frota. Para tal, é preciso: objectivos políticos alinhados com as oportunidades comerciais no sentido de uma regulamentação coesa; novos modelos de financiamento para infra-estruturas de carregamento pública e privada; um novo foco na cadeia de fornecimento ponta a ponta;melhorar a confiança do consumidor com a ampliação da infraestrutura física; e uma interface digital perfeita do veículo à rede.

Recorde-se que, em Portugal, o Estado dá incentivos de 3 mil euros para a compra de veículos eléctricos ligeiros de passageiros e de mercadorias a particulares; as empresas têm um apoio de 3 mil euros na aquisição de comerciais ligeiros e de 2 mil euros na compra de ligeiros de passageiros.

Estudo aponta: sector de frota deve electrificar primeiro

Embora relativamente pequeno – com 63 milhões de veículos (20% do parque total de veículos da Europa), o sector de frotas da Europa é desproporcionalmente prejudicial ao meio ambiente, de acordo com o estudo. É responsável por mais de 40% do total de quilómetros percorridos e metade das emissões totais do transporte rodoviário na Europa. Além disso, as lições aprendidas com a aceleração da electrificação da frota – como o desenvolvimento de modelos de negócios sustentáveis que apoiem o investimento em infraestrutura de carregamento e a integração da capacidade de carregamento inteligente–, permitirão que o mercado secundário e mais amplo de veículos de passageiros faça uma transição mais rápida.

Assim sendo, este é o maior e mais impactante caso de teste.O estudo destaca quatro factores principais que apoiarão uma primeira fase de transição da frota: As frotas terão que mudar para tipos de veículos alternativos ao longo do tempo, já que os padrões de emissões de CO2 restringem as vendas de veículos não eléctricos. Os veículos poluentes da frota são proibidos em mais de 300 grandes cidades europeias que operam com zonas de baixa emissão, pelo que a alternativa é pagar uma penalidade ou mudar para EV.Os veículos da frota tendem a viajar em rotas regulares e a cobrir uma distância diária bastante consistente. Têm destinos e escalas fixos, que podem ser combinados com os carregamentos. O custo total de ter EV está a atingir rapidamente o mesmo nível do dos veículos com motor de combustão interna. Os incentivos e os subsídios podem preencher lacunas,enquanto serviços e manutenção reduzidos, bem como poupanças significativas de combustível, justificam a electrificação da frota em termos económicos.

O emergente ecossistema eMobility

Assim como acontece noutros sectores em transformação, todo um ecossistema de apoio começou a desenvolver-separa acelerar a transição do eMobility.Tal inclui soluções inovadoras para o cliente e propostas de valor acrescentado para impulsionar a adopção generalizada do eMobility.

Os fornecedores de energia, por exemplo,já estão a criar parcerias com operadores de soluções de carregamento de VE e empresas de leasing, e as fabricantes estão a juntar-se a concessionárias de serviços públicos,criando os seus próprios negócios de leasing. Ou seja, há vários conjuntos de novos e já estabelecidos players na indústria que estão a trabalhar de forma colaborativa para ganhar a confiança dos clientes e aprimorar sua experiência geral ao nível do eMobility. O estudo da EY e da Eurelectric destaca são possíveis ganhos significativos para os primeiros usuários. E identifica oportunidades dentro do ecossistema, como gestão de rede, soluções de alimentação e carregamento de veículos eléctricos, gestão de frota,gestão de veículos e baterias, soluções de fim de vida da bateria, financiamento e gestão de dados.

Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com