Ministro das Infra-estruturas Pedro Nuno Santos

Extensão do quebra-mar de Leixões depende de avaliações de impacte ambiental em falta

MarítimoComentários fechados em Extensão do quebra-mar de Leixões depende de avaliações de impacte ambiental em falta331
Tempo de Leitura: 2 minutos

De acordo com o ‘Jornal de Notícias’, o Ministro das Infra-estruturas, Pedro Nuno Santos, afiançou à presidente da Câmara de Matosinhos, Luísa Salgueiro, que a obra referente à extensão do quebra-mar do Porto de Leixões não será adjudicada «até que sejam conhecidas e discutidas todas as avaliações de impacte ambiental em falta». A posição do governante foi veiculada na passada Sexta-feira (dia 6 de Março), após reunião.

Segundo adiantou a autarquia, a presidente da Câmara de Matosinhos, Luísa Salgueiro, recebeu a garantia, após reunirão com Pedro Nuno Santos, de que a adjudicação da obra do prolongamento do quebra-mar do Porto de Leixões (trata-se de uma extensão adicional de 300 metros) está dependente da apresentação das avaliações de impacte ambiental em falta e de uma resposta às reivindicações do município.

A Câmara de Matosinhos apresentou à Administração dos Portos de Leixões, Douro e Viana do Castelo (APDL) um conjunto de 26 pontos aos quais afirma ainda aguardar uma resposta. Ainda durante o encontro, noticia o ‘Jornal de Notícias’, o líder da pasta das Infra-estruturas comprometeu-se a convocar uma nova reunião para a próxima semana com o grupo de acompanhamento do projecto, que não reúne há cerca de oito meses. «A reunião deve decorrer já na próxima semana para efectuar a análise dos novos documentos entretanto produzidos», revelou a autarquia.

Recorde-se que as expectativas da administração portuária iam no sentido de adjudicar a extensão do quebra-mar durante o mês de Fevereiro, algo que não foi possível, devido à decisão de suspensão do processo de adjudicação, em sede de assembleia municipal. Também no mesmo mês de Fevereiro, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) vincou – tal como a Revista Cargo oportunamente noticiou – que os hipotéticos efeitos da extensão do molhe do Porto de Leixões são «pouco significativos e passíveis de minimização» em Matosinhos e Porto.

Com ‘Jornal de Notícias’

Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
ptPortuguês
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com