lng navio gnl china

Golar Power aposta em terminal no Brasil e navios próprios para transportar o seu GNL

Marítimo Comentários fechados em Golar Power aposta em terminal no Brasil e navios próprios para transportar o seu GNL 1259
Tempo de Leitura: 2 minutos

A Golar Power, uma joint venture entre a norueguesa Golar LNG e o fundo Stonepeak, planeia entrar na cabotagem brasileira, estando já a trabalhar na conclusão do primeiro terminal privado de gás natural liquefeito (GNL) do país, em Sergipe.

O empreendimento, adiantou a imprensa brasileira, está previsto para Janeiro do próximo ano. A joint venture busca clientes que pretendam distribuir o gás natural que irá produzir, tanto no modo rodoviário (para o hinterland), quanto na cabotagem marítima.

Tendo em mente este objectivo, a Golar Power (que opera com GNL, tanto na exploração produção e liquefacção flutuante de Gás Natural, no transporte, como também na fase de regaseificação e fornecimento de Gás Natural às diversas modalidades de cliente final), encontra-se já na fase final da construção do seu primeiro navio de transporte de GNL – o navio ainda não possui contrato, o que abre a porta, adianta a imprensa brasileira, para que tal contrato seja feito no Brasil.

O planeamento actual da Golar Power face à cabotagem é usar navios de pequeno porte para escoar as cargas dos navios-tanques até outros terminais de regaseificação na costa brasileira. Recorde-se que o futuro terminal de GNL em Sergipe estará apto a receber navios-tanque de grandes dimensões, destinados a fornecer a termoeléctrica da Centrais Eléctricas de Sergipe, que detém uma capacidade instalada de 1,5 mil mega-watts, um grande empreendimento da joint venture entre a Golar Power e a EBrasil.

Não esquecer ainda que o empreendimento em Sergipe não é a única aposta da Golar Power em território brasileiro: a joint venture possui outros projectos ambiciosos para o Brasil na área do GNL, como a construção de novos terminais em São Francisco do Sul e Barcarena. A aposta da Golar Power coincide com a entrada em vigor, em Janeiro de 2020, da nova regulamentação da IMO face às emissões marítimas de enxofre: os novos limites farão pender o paradigma energético do Shipping para o lado do GNL.

Author

Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com