ferry

Continente-Madeira via ferry: Governo Regional alarga prazo de apresentação de propostas por mais 30 dias

Marítimo Comentários fechados em Continente-Madeira via ferry: Governo Regional alarga prazo de apresentação de propostas por mais 30 dias 743
Tempo de Leitura: 2 minutos

O prazo relativo à apresentação de propostas para o projecto de ligação – via ferry – entre o Continente e a Região Autónoma da Madeira foi alargado por mais 30 dias por decisão do Governo Regional da Madeira. Na justificação apresentada pelo vice-presidente do Executivo regional, Pedro Calado, é referido o pedido de uma empresa.



«Uma das empresas que levantou o caderno de encargos pediu essa extensão. Prende-se com a dificuldade para reunir todas as condições necessárias, para estudarem os portos que podem servir a operação, as especificidades da operação, ter o navio adequado para a operação, e reunir toda a documentação legal e necessária», explicou Pedro Calado ao Jornal Económico.

«Não é fácil trazer uma operação destas com as características que temos», admite Pedro Calado

Mais esclareceu o governante que a prorrogação é válida para todas as empresas interessadas; «O nosso mercado é limitado geograficamente. Não é fácil trazer uma operação destas com as características que nós temos», acrescentou Pedro Calado, que assegurou ainda que o concurso para a ligação por ferry «não se limita a três meses» mas que exige, «no mínimo, três meses». «Quem apresentar uma proposta para uma operação para mais meses terá uma maior bonificação», revelou.

Governo Regional advoga «defesa dos princípios que regulam a população da Madeira»

«Um madeirense ou um açoriano não tem culpa de ter nascido numa ilha. O princípio da continuidade territorial tem de ser válido quer para aos ilhéus quer para os continentais. Cabe ao Estado assumir esses custos da operação», afirmou, assim analisando a problemática da continuidade territorial. «Temos de fazer muita pressão», admitiu Pedro Calado.

«Aqui não se trata de dinheiro. Trata-se de defesa dos princípios que regulam a população da Madeira. É o principio da coesão e da continuidade territorial. E isso deve ser assumido pelo Estado», conclui o governante, citado pelo jornal.



Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com