Marco Vale

Marco Vale (MSC): «Sines é o único porto em Portugal onde os nossos navios podem entrar»

Marítimo Comentários fechados em Marco Vale (MSC): «Sines é o único porto em Portugal onde os nossos navios podem entrar» 1531
Tempo de Leitura: 2 minutos

Marco Vale, director-geral da MSC Portugal, concedeu uma entrevista ao Jornal de Negócios – a conversação, conduzida pela jornalista Maria João Babo, abordou a problemática da incerteza das dinâmicas de mercado provocada pelas greves e as razões que levaram a companhia a preterir o Porto de Lisboa pelo de Sines, que enfrentou um duro 2019, tal como o próprio presidente da APS reconheceu recentemente.

O dossier da instabilidade sócio-laboral em Sines foi acompanhado ao detalhe pela Revista Cargo – o porto alentejano, um dos símbolos da estabilidade laboral e produtiva do sistema portuário luso, atravessou um ano difícil em matéria de greves (no Terminal XXI). Para Marco Vale, a questão (resolvida na recta final de Agosto) foi gerada por uma «falta de diálogo momentânea», tendo redundado numa situação «um pouco mais extrema de greve» que acabou por ser «rapidamente sanada». «Não foi uma situação nem recorrente», vincou.

Greve em Sines? Um problema pontual que não preocupa a MSC, afiança Marco Vale

msc eloane porto de sines terminal xxiAdmitindo que a situação impactou os planos da MSC (implicando desvios para os portos espanhóis de Valência e Las Palmas), Marco Vale foi, no entanto, taxativo: «Nós operamos em Sines há 15 anos e só houve dois momentos de greve: este ano e em 2012. Não é um problema que nos preocupe». A aposta no Porto de Sines é, indubitavelmente, para continuar, dadas as características da infra-estrutura: «Temos navios muito grandes, e a maior parte só pode entrar em Sines (…) Em 15 anos os navios evoluíram imenso em termos de dimensão e hoje Sines é o único porto em Portugal onde os nossos navios podem entrar», justificou o director-geral da MSC Portugal.

A aposta no porto alentejano leva já 15 anos de duração, recordou Marco Vale, e afigura-se como a mais adequada à necessidade competitiva de escalar grandes navios (a tendência do aumento da capacidade e tamanho dos porta-contentores tem sido uma realidade incontornável) em portos apetrechados para tal requisito – um das características vitais para tal é o calado: um trunfo no qual o Porto de Sines é imbatível em termos nacionais. Regressar ao Porto de Lisboa (opção abandonada em 2004) não está nos planos: «Se um dia voltássemos a escalar Lisboa seria com navios pequenos, mas isso não se enquadra na estratégia», revelou Marco Vale.

Back to Top

© 2019 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com