camiões transporte rodoviário ACEA ecotaxa contrato antram

Nova greves nas estradas portuguesas: motoristas de pesados protestam contra o novo CCT

Empresas, Terrestre Comentários fechados em Nova greves nas estradas portuguesas: motoristas de pesados protestam contra o novo CCT 458
Tempo de Leitura: 2 minutos

Uma greve parou, logo outra arrancou: o sector do transporte rodoviário de mercadorias continua em sobressalto, desta feita, com o início da greve dos motoristas de veículos pesados afectos ao Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM).

Nova greve arranca na ressaca da paralisação que deixou o país seco

Esta Segunda-feira (dia 22), os motoristas afectos ao SIMM iniciaram um período de greve, que, segundo informou a entidade sindical, abrange os trabalhadores da empresa de transportes João Pires Transportes Ltda, uma das maiores transportadoras do país, com uma frota de cerca de 200 veículos. Esta greve chega na ressaca da paralisação dos motoristas de matérias perigosas, afectos ao sindicato SNMMP.

A greve, que não tem carácter nacional (ao contrário daquela convocada pelo SNMMP), reivindica a reposição das retribuições pré-acordo do Contrato Colectivo de Trabalho. «Estaremos em protesto com os trabalhadores da empresa João Pires Transportes pela reposição das retribuições (pré-CCTV), pelo fim da pressão sobre os trabalhadores sindicalizados e transparência no modo de pagamento do trabalho», comentou, ao jornal ‘Público’, a direcção do sindicato.

Segundo adiantou este jornal, o SIMM defende que a recente contratação colectiva dos trabalhadores da empresa não teve a concordância dos associados do sindicato e que a entidade patronal «demonstrou um total desprezo por quem lhes presta serviço ao querer fechar um acordo complexo e pleno de contradições», lê-se num comunicado no site da organização sindical. Na visão da entidade, os trabalhadores não foram ouvidos e o acordo estabelecido implica «vários atropelos ao Código de Trabalho Português e à Constituição da República».

SIMM acusa empresas de «desprezo pelas reivindicações dos trabalhadores»

No seu mais recente comunicado, o SIMM declarou que as empresa visadas (à qual se junta a Loartrans Transportes), «numa atitude de total desprezo pelas reivindicações dos trabalhadores , nem sequer se mostraram disponíveis para reunir com os representantes dos trabalhadores e assim se também se poderem definir eventuais serviços mínimos bem como assegurar a manutenção e segurança das instalações».

Esta nova greve prolonga a instabilidade no âmago do sector – a paralisação geral dos motoristas de matérias perigosas, menos de um ano após a assinatura do novo CCT, deixou o país à beira de um colapso energético, com vários postos de abastecimento vazios e os aeroportos de Lisboa e Faro gravemente afectados nas suas reservas de combustível.

Author

Back to Top

© 2019 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com