A APDL estimou, ontem (dia 27), que o concurso para o novo terminal de contentores do Porto de Leixões seja lançado ainda no decorrer do presente ano e estimou um investimento na obra de cerca de 190 milhões de euros. «A nossa estimativa orçamental para a construção do novo terminal, ou reconversão do multi-usos, entre construção civil e equipamentos, é de 190 milhões de euros», adiantou Nuno Araújo, presidente da administração.

Nuno Araújo adiantou pormenores sobre o novo terminal de contentores

reportagem Nuno Araújo APDLEste valor, prosseguiu – em declarações à Lusa – «inclui ainda a reconversão do porto de pesca. Quanto ao lançamento da obra, questões procedimentais interna impedem-nos, para já, de avançar uma data, mas será ainda este ano». Recorde-se que, tal como a Revista Cargo havia já noticiado, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) já divulgou, nos últimos dias de 2020, um parecer positivo (ainda que «condicionado»)ao novo terminal de contentores do porto nortenho, condicionado à mitigação de ruídos e dos impactos visuais negativos na zona balnear de Matosinhos.

Os impactes ambientais negativos esperados são, na sua globalidade, «pouco significativos» e mais notórios na fase de construção. O terminal, que vem dar uma adição crucial de capacidade de movimentação de carga contentorizada ao Porto de Leixões, mantendo-o na rota do progresso neste segmento de carga, «será capaz de gerar impactes sociais e económicos positivos ou muito significativos na região». Saliente-se que a infra-estrutura portuária nortenha é uma referência nacional na movimentação de contentores, sendo responsável por 25% deste tráfego portuário em Portugal.

O projecto do novo terminal de contentores em Leixões idealiza um terminal com uma capacidade anual de movimentação de pelo menos 480 mil TEU e uma capacidade de movimentação anual no cais de pelo menos 435 mil TEU. O projecto prevê ainda um terminal Ro-Ro.

Fonte: Lusa e RTP