Porto de Luanda DP

Operadora que perdeu concurso para terminal do Porto de Luanda reivindica «justiça»

MarítimoComentários fechados em Operadora que perdeu concurso para terminal do Porto de Luanda reivindica «justiça»275
Tempo de Leitura: 2 minutos

A operadora International Container Terminal Services Inc (ICTSI) contestou a entrega da gestão do terminal do Porto de Luanda à operadora emiradense DP World, garantindo que «cumpriu estritamente» todas as regras do concurso. Agora exige «justiça» às autoridades.

Através de um comunicado de imprensa ontem (dia 21 de Fevereiro) divulgado (e noticiado pelo ‘Jornal de Angola’), a ICTSI explica que, após a decisão, se «vê forçada» a clarificar e expor «factos indiscutíveis» sobre o concurso, respondendo assim às «tentativas caluniosas» de «manchar o seu bom nome e reputação por via de falsas notícias e pronunciamentos errados».

A ICTSI, operadora filipina, que actua no a área da gestão, operação e desenvolvimento de terminais portuários, afirma que «submeteu, de longe, a mais forte proposta financeira e técnica» à Comissão de Avaliação do Concurso (CAC). «A ICTSI submeteu a mais forte proposta técnica, tendo sido classificada em primeiro lugar ou ex-quo com outra proposta, conforme espelham os critérios emitidos pela CAC», lê-se no comunicado.

Operadora DP WorldRecorde-se que, na sequência da apresentação de duas providências cautelares, contestando a entrega da gestão do terminal do Porto de Luanda à Dubai Ports World (DPW), o Ministério dos Transportes angolano declarou, na semana passada, que a proposta da ICTSI detinha «deficiências graves» e pressupostos «incoerentes», assegurando que a escolha da concorrente DP World «defende o interesse público».

Segundo avançou o ‘Valor Económico’, a ICTSI referiu-se a «graves atropelos» cometidos pela CAC e requereu ao tribunal que «reponha os termos genuínos do concurso valorando, na íntegra, as ofertas dos concorrentes adjudicando a concessão do terminal ao melhor classificado». O Ministério dos Transportes diz que as alegações da ICTSI de que a CAC violou o princípio do interesse público são carecem de fundamento, uma vez que o Estado «definiu como interesse público, para além do critério financeiro […] critérios técnicos de ganhos de eficiência, melhoria das infra-estruturas, adopção das melhores práticas internacionais de gestão portuária e o aumento da movimentação do terminal multiusos».

Fonte: Lusa

Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
ptPortuguês
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com