aps plano estratégico porto de sines

Porto de Sines giza aposta estratégica no aumento de tráfego no hinterland ibérico

Logística, Marítimo Comentários fechados em Porto de Sines giza aposta estratégica no aumento de tráfego no hinterland ibérico 365
Tempo de Leitura: 3 minutos

O Plano Estratégico do Porto de Sines foi esta manhã apresentado, contando com a presença do Ministro das Infra-estruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos. No auditório da APS, às palavras de José Luís Cacho, presidente do Conselho de Administração, seguiu-se uma exposição por parte de Álvaro Nascimento, professor na Universidade Católica Portuguesa, que coordenou a equipa do Centro de Estudos da Católica Porto Business School na elaboração do plano. A Revista Cargo acompanhou a sessão e traz-lhe até si todos os pormenores do documento.

Porto de Sines focado em ser «referência na Península Ibérica»

Câmara Municipal de Sines

«O que pensámos foi: quais são, neste momento, os elementos determinantes para que o Porto de Sines se possa afirmar nessa grande dimensão. Pensámos em três grandes mensagens: a primeira é colocar Sines como um porto de referência na Península Ibérica, sendo um ‘porto para o mundo’. Fazer com que Sines tenha presença muito mais forte e mais robusta no seu hinterland, aproveitando as suas características específicas, a sua network e capilaridade com outros portos nacionais e internacionais», introduziu Álvaro Nascimento.

«A segunda foi pensar Sines numa lógica de um ‘mundo no porto’, sendo a ideia fundamental a de, ser capaz de capitalizar todas as oportunidades do hinterland mais próximo me oferece – neste caso, estamos a falar da ZILS e da ZALS – de forma a que o porto não seja apenas um instrumento de escoamento de produtos e do abastecimento, mas também um agente activo na promoção da centralidade que a ZILS e ZALS têm através do porto», prosseguiu. Finalmente, algo incontornável e indispensável nos nossos dias em qualquer estratégia de natureza portuária: se Sines faz hoje parte da rede logística quer ter uma capacidade de intervenção mais forte nessa rede, naturalmente nós esperaremos de Sines um porto com capacidade tecnológica e informática de topo, também preocupado com a vertente de sustentabilidade e com a coesão económica e social», detalhou.

Álvaro Nascimento identificou riscos e oportunidades

«Vemos em Sines um porto capaz de compreender os interesses dos stakeholders, ser capaz de resolver conflitos de interesse e de encontrar os pontos de equilíbrio, ao serviço da região e do país», salientou Álvaro Nascimento, lembrando que o porto «tem um legado extraordinário que resulta de opções estratégicas feitas no passado». Um legado caracterizado «por um serviço de transbordo altamente eficiente e competitivo e por ser um ponto de conexão das redes energéticas. Trata-se de um legado de riscos mas também de oportunidades. Falo em risco pois tem um montante considerável concentrado nestes dois segmentos, apenas 12% do seu negócio é com o hinterland, o que significa que tem aqui um certo desbalanceamento», considerou, denotando que ambos os sectores estão «afectados por questões geopolíticas».

Podendo alavancar-se no «legado de conhecimento» e na sua capacidade de expansão (nos diferentes mercados), Sines «é o maior porto nacional e um dos maiores da Europa», apto a voos ambiciosos; «mas se lhe retiramos o transshipment e o sector energético, fica reduzido a uma expressão que é muito pequena quando comparada com os portos europeus», alertou, realçando a importância da diversificação de cargas e a conexão fluída e profícua com o hinterland. «Sines tem potencial para se transformar numa «grande porta de entrada e saída do hinterland ibérico», vincou, podendo ser, por via da aposta na intermodalidade e reforço da «centralidade e conectividade», ser uma «porta da entrada da fachada atlântica».

Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com