arkas tarros portos de leixoes yilport leixoes great pendulum

Para serem competitivos, portos devem operar 24 horas por dia, frisa Diogo Marecos

Marítimo Comentários fechados em Para serem competitivos, portos devem operar 24 horas por dia, frisa Diogo Marecos 391
Tempo de Leitura: 2 minutos

O 22º Congresso da APLOG, realizado em Outubro, teve, na mesa redonda ‘Estruturas Portuárias – Reforço do Perímetro’, um dos seus momentos mais altos: o tema reuniu figuras ilustres do panorama marítimo-portuário nacional e das administrações portuárias, propondo-se a analisar os sucessos, desafios, entraves e anseios do sector. Em destaque esteve a Yilport – Diogo Marecos representou o grupo no painel (mediado por Miguel Marques), abordando a importância da flexibilidade e da actividade non-stop nos portos.

Portos «não são diferentes de um aeroporto»

Quão essencial é, nos dias que correm, um porto funcionar 24 horas por dia, 365 dias por ano? «É muito importante e grande parte das pessoas não tem a consciência. Não são todos os portos que têm esta capacidade e a factura portuária também se paga por aqui. Sines trabalha 24 horas por dia. Temos tido parceiros sociais que estão abertos a esta flexibilidade, pois compreendem que os terminais portuários não são diferentes, em termos logísticos, de um aeroporto: também necessitam de trabalhar 24 horas por dia, 365 dias por ano. Porquê? Porque nós não controlamos a hora de chegada de um navio», explicou Diogo Marecos, aflorando um tema que considerou imprescindível para a competitividade.

«Um navio, atendendo às condições climatéricas, pode estar escalado para chegar a uma Segunda-feira e acabar por chegar apenas a uma Quinta. O facto de os navios não estarem na disponibilidade dos operadores – chegam quando podem chegar – obriga a que estrutura tenha de estar aberta. Para isso precisamos de flexibilidade dos parceiros sociais para aceitarem isto. Trata-se de uma flexibilidade que encontramos em Leixões, em Aveiro, e temos agora uma abertura em Setúbal, mas, por exemplo, em Lisboa isso não existe», declarou o representante da operadora portuária turca Yilport, que gere, desde o ano de 2016, sete terminais espalhados pelos portos portugueses.

Para Diogo Marecos, esta total operacionalidade é um requisito fundamental para que os portos portugueses possam acompanhar a competitividade global e captar novos tráfegos. «É muito importante que todos nós percebamos, para bem da economia do país e para a criação de mais postos de trabalho, que estas infra-estruturas estejam abertas 24 horas por dia para servir os armadores, porque, caso contrário, a decisão é tomada a montante. Tudo isto pesa na escolha do porto em que o navio atracará», frisou. «É muito importante que consigamos dar este passo em frente, de convencer os parceiros sociais de que isto é imperativo para a nossa competitividade», rematou.

Back to Top

© 2019 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com