contentores porto setubal

Portos do Continente movimentam 34,2 milhões de toneladas até Maio, -9,3% que em 2019

Marítimo Comentários fechados em Portos do Continente movimentam 34,2 milhões de toneladas até Maio, -9,3% que em 2019 281
Tempo de Leitura: 3 minutos

Entre Janeiro e Maio de 2020, os portos do continente movimentaram um total de 34,2 milhões de toneladas de carga, uma diminuição de -9,3% face ao volume global de carga registado nos primeiros cinco meses de 2019. Em termos de tonelagem de carga, registaram-se -3,49 milhões de toneladas de carga, revelou a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT). Na origem da queda estão a pandemia e as restrições aplicadas globalmente.

Portos sofrem com a pandemia

O comportamento do mercado do Carvão em Sines e o da Carga Contentorizada em Lisboa «foram os que mais contribuíram para o desempenho negativo global do sistema portuário do Continente», relatou a AMT. O Carvão em Sines registou quebras de -1,54 milhões de toneladas e o da Carga Contentorizada em Lisboa foi responsável por -783,3 mil toneladas. Os dois, em conjunto, representam 53,7% do total de -4,3 milhões de toneladas de carga perdida nos diversos mercados com comportamento negativo. Estas performances, salienta, não têm «relação directa» com a pandemia.

«Os portos e as cargas foram claramente penalizados pela crise pandémica que se atravessa e que originou a suspensão e/ou abrandamento da actividade da indústria nacional», detalha a AMT no relatório referente a Janeiro-Maio, frisando que a descida homóloga teve «o forte contributo» dos portos de Sines e Lisboa, que registaram quebram de -9,7% e -23,2%, respectivamente, a que corresponde um total de -2,9 milhões de toneladas. Também os portos de Leixões, Setúbal e Aveiro registaram quebras de -5%, -6,4% e -4,4%, respectivamente. Só os portos de menor dimensão, a saber, Figueira da Foz, Faro e Viana do Castelo registaram comportamentos positivos de, respectivamente, +12,1%, +27,1% e +1,6%.

Petróleo Bruto e Produtos Petrolíferos com quedas acentuadas

A quebra de movimentação global verificou-se sobretudo nas operações do Petróleo Bruto e dos Produtos Petrolíferos em Leixões e Sines, por efeito da pandemia. Neste período, verificou-se uma acentuada diminuição da compra de combustíveis nos mercados nacional e internacional, tendo conduzido a um quase esgotamento da capacidade de armazenagem das refinarias de Matosinhos e de Sines, o que levou à suspensão temporária da sua actividade. Os Produtos Petrolíferos, que têm elevado relevo nas exportações nacionais, registaram em Abril e Maio, nos portos de Leixões e Sines, uma diminuição de -938,9 mil toneladas, correspondente a -28,1% do volume movimentado no período homólogo de 2019.

Pausa na produção automóvel prejudicou Setúbal e Leixões

Também a carga Ro-Ro foi «particularmente impactada pela pandemia em curso» com a suspensão da produção da indústria automóvel, desde meados de Março até finais de Abril. A situação determinou uma «significativa retracção na exportação de unidades automóveis e consequentemente do respectivo movimento portuário em Setúbal e em Leixões, embora neste último com menos impacto», explicou a AMT.

Author

Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com