Portway

Portway reage ao pré-aviso de greve e «apela ao sentido de responsabilidade do SINTAC»

Aéreo Comentários fechados em Portway reage ao pré-aviso de greve e «apela ao sentido de responsabilidade do SINTAC» 401
Tempo de Leitura: 2 minutos

A Portway reagiu ao lançamento do pré-aviso de greve (para os dias 27, 28 e 29 de Dezembro) nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro e Funchal, por banda do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC). A empresa lamentou a realização da acção de protesto, para a qual «não existem fundamentos», notando não compreender a posição do SINTAC e estranhar os motivos da greve, «desajustados da realidade da empresa».

Portway garante que «cumpre escrupulosamente a lei»

Na missiva, a empresa de handling frisa que «cumpre escrupulosamente a lei e toda a regulamentação aplicável, tanto ao nível da legislação laboral como em termos de acordos e protocolos aplicáveis à empresa», pelo que «não reconhece fundamentos para esta paralisação». Deixa ainda um apelo «ao sentido de responsabilidade do SINTAC» alertando para «o impacto da paralisação, que «pode ser considerável atendendo às datas em que se realiza». Os impactos não se cingirão à Portway e suas empresas clientes: «há também potencial impacto colateral em todas as companhias aéreas que operam nos aeroportos portugueses», alerta a empresa.

SINTAC emitiu novo pré-aviso de greve ao trabalho suplementar

Três dias depois de lançar o primeiro pré-aviso de greve, o SINTAC emitiu, no dia 23, um novo pré-aviso de greve na Portway, desta vez ao trabalho suplementar, banco de horas e fins de semana, entre Janeiro e o final de Março. Em declarações à Lusa, Fernando Simões, dirigente do SINTAC, deu conta desta nova paralisação, criticando a actuação da empresa de handling. «Tivemos contactos de ex-trabalhadores que estiveram este Verão ao serviço da Portway e, tendo em conta a sazonalidade do verão IATA, foram dispensados entre o final de Setembro e início de Outubro, e que nos disseram que a Portway está a ligar-lhes na tentativa de fazer contratos de dez dias, a começar por volta de 21, 22 de Dezembro», denunciou.

Para o SINTAC, isto tal comportamento configura uma «tentativa clara de substituir grevistas», sendo que, de acordo com o dirigente associativo, a contratação de trabalhadores em cima da hora pode ter impactos a nível da segurança. Fernando Simões garantiu que «nos aeroportos nacionais um trabalhador para renovar ou pedir um cartão tem que entregar a sua documentação necessária para fazer o procedimento todo e demora 30 dias».

Com Lusa

Author

Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com