SIMAB e Santiago firmam cooperação rumo à modernização do agro-negócio na região cabo-verdiana

Logística Comentários fechados em SIMAB e Santiago firmam cooperação rumo à modernização do agro-negócio na região cabo-verdiana 250
Tempo de Leitura: 3 minutos

A SIMAB, a Câmara Municipal de Santa Cruz e a Associação de Turismo de Santiago firmaram um memorando de entendimento com vista à actualização «do diagnóstico do sector agro-alimentar na Ilha de Santiago, à definição da implantação e gestão de mercados abastecedores capazes de integrar uma plataforma logística, uma central de compras, e um parque industrial nesta região de Cabo Verde.

Memorando define moldes da «regeneração urbana e do desenvolvimento económico e social da ilha de Santiago»

Subscrito no passado dia 31 de Outubro pelo CEO do Grupo SIMAB, Rui Paulo Figueiredo, pelo Presidente da Câmara de Santa Cruz, Carlos Alberto Silva, e pelo Presidente da Associação de Turismo de Santiago, Eugénio Inocêncio, o documento plasma também «a articulação daqueles equipamentos com uma incubadora de empresas e com os projectos-piloto em curso no domínio da regeneração urbana e do desenvolvimento económico e social da ilha de Santiago, a par de actividades de promoção turística, de que é exemplo a Feira da Banana».

SIMAB: «Acordo de cooperação» visa potenciar «cooperação no desenvolvimento do comércio internacional»

Em comunicado, refere a SIMAB que este «acordo de colaboração» visa fomentar «a cooperação no desenvolvimento do comércio internacional» entre os operadores instalados nos mercados abastecedores/centrais de compras, incidindo também sobre a área do e-commerce e sobre a instalação «de espaços comerciais e pavilhões de alguns países nos mercados abastecedores e centrais de compras de outros países».

Enunciando as áreas técnicas que afirmam a SIMAB no contexto internacional da concepção e gestão de mercados grossistas e retalhistas, a cláusula sexta do documento enfatiza, entretanto, a cooperação das três entidades na atracção de parceiros internacionais, «portugueses e de outras nacionalidades, que possam criar valor para os projectos em apreço».

As três entidades comprometem-se também a partilhar experiências para obter o apoio de organizações internacionais, «para que os Governos nacionais e locais possam garantir boas práticas comerciais, alimentação saudável, segura e de qualidade, a bom preço; desenvolver programas de melhoria e eficiência logística, assim como de modernização e competitividade dos canais tradicionais de comercialização de alimentos; e desenvolver padrões de qualidade».

Ilha de Santiago busca «modernização» do seu tecido logístico

De acordo com os considerandos do protocolo, o ambiente comercial da Ilha de Santiago caracteriza-se pela «produção e comercialização heterogénea de produtos horto-frutícolas, segundo padrões culturais e costumes alimentares, que carece de apoios para a sua intensificação, bem como para a sua modernização em termos logísticos, industriais, comerciais e integração nas operações de regeneração urbana, bem como na promoção do turismo e na substituição de importações por produção nacional».

Esta é a razão porque – segundo os subscritores – importa desenvolver programas de modernização do fornecimento alimentar para melhorar as infra-estruturas de produção e operação, custos de armazenamento e operação, perdas de produto, competitividade, segurança, e inovação e modernização da operação comercial.

Author

Back to Top

© 2018 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com