Airbus-A330 tap

TAP: Estado terá de «nacionalizar a empresa» caso acordo com privados falhe

Aéreo, Empresas Comentários fechados em TAP: Estado terá de «nacionalizar a empresa» caso acordo com privados falhe 268
Tempo de Leitura: 2 minutos

O destino da TAP continua em suspenso: nesta Terça-feira, o Ministro das Infra-estruturas e da Habitação admitiu que o cenário de nacionalização da empresa é uma hipótese pertinente e que se concretizará caso o acordo do Estado com os accionistas privados fracasse.

Estado preparado para nacionalizar a TAP, afiançou Pedro Nuno Santos

Pedro Nuno Santos admitiu hoje que, caso os privados não aceitem as condições definidas pelo Estado para a concretização do resgate de 1,2 mil milhões de euros à TAP, restará a nacionalização da transportadora aérea. «Se o privado não aceitar as condições do Estado português, nós teremos de intervencionar a empresa, nacionalizar a empresa, sim, ou quer que nós deixemos a empresa cair?», atirou, confirmando a hipótese.

O governante respondia aos deputados durante a realização da comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, na Assembleia da República. Na mesma audição, o governante já tinha referido que a proposta do Estado com as condicionantes para um empréstimo de até 1.200 milhões de euros à TAP foi chumbada [na Segunda-feira] pelo Conselho de Administração, e admitiu «uma intervenção mais assertiva na empresa».

De acordo com Pedro Nuno Santos, a proposta de contrato para o empréstimo será ainda ser submetida ao sócio privado, a Atlantic Gateway, dos empresários David Neeleman e Humberto Pedrosa, cujos representantes se abstiveram na votação no Conselho de Administração. Nessa reunião do Conselho de Administração, recordou matéria noticiosa da Lusa, a proposta do Estado teve «os votos a favor dos administradores do Estado e as abstenções do privado, o que resultou no seu chumbo», esclareceu o governante.

Para ser aprovada, a proposta teria de ter maioria qualificada no Conselho de Administração, composto por 12 elementos – seis do Estado e seis do privado. «Precisávamos de oito votos a favor para passar e ela foi chumbada», frisou o ministro, citado pela Lusa. «Não cederemos na negociação com o privado. Não lhe chamamos braço-de-ferro, chamamos defesa intransigente e firme do interesse nacional. Estamos preparados para tudo, o Governo não vai ceder nas suas condições e estamos preparados para intervencionar e salvar a empresa», afiançou o Ministro das Infra-estruturas.

No passado dia 29, o accionista David Neeleman garantiu o «empenho dos privados» no futuro da companhia, agradecendo o empréstimo do Estado português. «Apesar de não ter sido essa a nossa proposta, agradecemos muito o apoio do Estado português através de um empréstimo de emergência à TAP e aceitamos obviamente as medidas de controlo da utilização desse empréstimo», afirmou, em declaração enviada à Lusa.

Com Lusa

Author

Back to Top

© 2020 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
pt Português
X
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com