Cabo Verde inter ilhas

Transporte inter-ilhas: Armadores da Marinha Mercante de Cabo Verde rejeitam «investir na incerteza»

Marítimo Comentários fechados em Transporte inter-ilhas: Armadores da Marinha Mercante de Cabo Verde rejeitam «investir na incerteza» 293
Tempo de Leitura: 2 minutos

De acordo com informações adiantadas em primeira mão pela agência cabo-verdiana ‘Inforpress’, os armadores nacionais filiados na Associação Cabo-verdiana dos Armadores da Marinha Mercante (ACAMM) não participarão na quota de mercado de 25% da concessão do transporte inter-ilhas (de cargas e passageiros) – quem o diz é o próprio presidente da organização, João Guilherme.

«Alto investimento sem retorno»: armadores filiados na ACAMM rejeitam quota de 25% no capital da concessão

Em declarações prestadas à comunicação social, no Mindelo, João Guilherme adiantou que esta decisão da ACAMM se prende com o facto de se estar perante um «alto investimento sem retorno». Na visão da organização, a quota fixada é insuficiente para garantir a competitividade e concorrência do transporte inter-ilhas cabo-verdiano, uma vez que a lusa Transinsular, que controla 75% do capital da concessão, estará sempre em posição privilegiada.

Recorde-se que, como noticiou a Revista Cargo em meados do mês passado, a Transinsular venceu o concurso internacional para a concessão do transporte inter-ilhas em Cabo Verde, tendo ficado estipulada a quota de 25% para os armadores nacionais. No entanto, sabe-se hoje que os que filiados na ACAMM não pretendem apostar «na incerteza», deixando nas entrelinhas o argumento de que o accionista maioritário poderá «contornar» os resultados.

«Governo vai mudar de opinião», antevê João Guilherme

Segundo João Guilherme, a ACAMM está ciente «de que o Governo vai consciencializar-se e mudar de opinião em relação ao que se esta a passar e voltar para os armadores nacionais e encontrar uma saída para o país», e tem reforçado, junto do Executivo, que a actual solução não é a melhoria via para os transportes marítimos nacionais. «“Já fizemos contactos ao mais alto nível, em primeiro lugar está o país, pois, com certeza, uma empresa estrangeira virá a procura de lucro e se tal não ocorrer vai embora», rematou o presidente da ACAMM.

Author

Back to Top

© 2018 Magia Azul, all rights reserved.
Partilhar
Partilhar
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com